Onde a poesia tem cheiro de café...

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Esperança

Com 0 Comentario


A esperança outrora nasceu escondida numa criança.
 Ela tinha face, cheiro... Era frágil. 
Coube num cesto! 

Adriano Alves

+1

0 comentários :

Postar um comentário

Postagens populares