Onde a poesia tem cheiro de café...

sábado, 25 de abril de 2015

Entre-laços

Com 2 Comentarios
Naquela noite a luz do quarto se apagou mais cedo. O lençol foi recolhido. A cama ficou toda bagunçada. Mas, por incrível que pareça, os corpos não se encontraram. Houve apenas um esbarro.
Amar está para além de bagunçar o lençol. 
Só deixe apagar a luz se for para se entrelaçar. Afinal...
O amor habita entre-laços! 


Adriano Alves

+1

2 comentários :

  1. “Naquela noite a luz do quarto se apagou mais cedo.”
    Há momentos que são piores do que outros e há, também, momentos que são melhores do que os outros. Todavia a momentos que são corriqueiros e estes são agentes que arruínam a vida diária das pessoas. Concessões ocultos nos gestos e jeitos que dizem que algo pode mudar para sempre. Afinal, apesar de muitas noites, foi “naquela noite (que) a luz do quarto se apagou mais cedo.” Quem sabe uma briga tola? Uma agressão verbal? Ou, assim seria tudo de bom, sexo na calada da cama noturno dos cônjuges cheias de viço?
    Não, o sexo não aconteceu naquela noite, uma vez que “por incrível que pareça, os corpos não se encontraram.” Recolher o lençol é o que resta, ainda que a cama fique bagunçada. Quem sabe a cama com tal bagunça reflita a vida aparente, o sexo sem compromisso real entre os enamorados, posto que “Amar está para além de bagunçar o lençol.” Amar não transar, transar não é amar.
    O que é amar? Tal pergunta é equivocada, não se sabe o que é amar. A pergunta certa é “onde o amor acontece?” ora, é mais do que obvio: “O amor habita entre-laços! “

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amigo João Batista!
      Você me inspira! Você coloca melodia nas minhas letras. Obrigado, amigo!

      Excluir

Postagens populares