Onde a poesia tem cheiro de café...

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

(A)MAR.

Com 0 Comentario
O azul daquele olhos revelavam a profundidade daquela alma. Era preciso aprender a nadar para não se afogar naquele (a)mar tão azul, tão sedutor, tão atraente, tão misterioso.
Aqueles olhos revelavam o (a)mar que me alcança até mesmo quando eu estava na beirada.

Adriano Alves. 

+1

0 comentários :

Postar um comentário

Postagens populares