Onde a poesia tem cheiro de café...

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Por que escrevo?

Com 1 Comentario
Escrevo para imortalizar àquilo que diziam ser mortal.


Adriano Alves. 

+1

Um comentário :

  1. Acreditar naquilo que se escreve só possível para quem sabe que escrever é, na verdade, acreditar na palavra visível que as letras escrevem. Porém, pensando em linguagem poética, nenhuma palavra é mais como era antigamente, ou seja, quando um poeta escreve, as palavras assumem uma semântica que não segue a lógica que é seguida costumeiramente. Escrever é traduzir a metáfora que alma não sabe falar. Pergunte ao poeta!
    Fica claro, no poema, que o poeta deseja escrever para causar uma catarse. Ele deseja mudar as coisas de lugar e refazer o significado de tudo aquilo que diziam ser insignificante. O poeta deseja a imortalidade da daquilo que é efêmero, mortal.
    Podemos espalhar a pergunta “por que escrevo” para outras áreas da vida e perguntar: Por que vivemos? Por que amamos? Por que mentimos? Por dizemos a verdade? Por que lemos? Por que não lemos? Por que internamos amizades verdadeiras? Por que entramos em amizades mentirosas? Por que somos falsos? Por que somos verdadeiros?
    Algumas destas perguntas devem ser respondidas para que as trajetórias sejam outras, ou seja, responde-las para mudar as realidades que assolam a vida de quem não entende o que é ser imortal.
    Quero a ousadia de dizer que faço tudo isso para imortalizar aquilo que diziam, dizem e dirão ser mortal.

    ResponderExcluir

Postagens populares