Onde a poesia tem cheiro de café...

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Penso, logo sou barraco

Com 0 Comentario
Morei 27 anos num barraquinho de madeira fragilizado pelo tempo. As lacunas, neste barraco, eram visíveis. Barulhos,ventania, chuva, ratos, etc., adentrava nossa casa de maneira aterrorizante.
Nossa consciência, por vezes, gritava: O que fazer? Para onde ir?
Mudamos! Mamãe foi morar no céu. Eu ainda continuo morando num barraco de madeira chamado EU. Carreguei o meu "eu barraco" para uma casa com menos lacunas e paredes de concreto. Mas, penso, e logo sou barraco; frágil, visitado por ventanias e corroído por diversas sensações. Há quem blinda o coração. Que inveja! 
Eu, pobre barraco, envernizei o meu.


Adriano Alves.

+1

0 comentários :

Postar um comentário

Postagens populares